Yu-Gi-Oh! For fun x Meta Game – Parte 1: For fun

Fala gurizada ligada no blog da Solo, aqui quem escreve é o Felipe! E hoje, vamos falar de um assunto muito recorrente na comunidade de Yu-Gi-Oh!: For fun x Meta! Porém já aviso de antemão que neste artigo você não encontrará nenhum tipo de “racha” ou disputa para ver qual lado é melhor, mas sim uma matéria que busca mostrar o valor de ambos os lados, começando hoje pelo For fun.

Diversão

Algo muito interessante quando falamos do for fun (também chamado pela sua abreviação “4fun”) é a sua definição. Sim, pois logo de cara nos deparamos com a questão: O que é diversão? Pode parecer algo bobo, porém a sua percepção de diversão pode ser diferente da minha – por exemplo. Andar de bicicleta, jogar videogame, assistir televisão… São coisas que parecem muito divertidas e de fato são, todavia para algumas pessoas podem não ser experiências divertidas. Mas ok, chega desse disse-me-disse, o fato é que essa é uma discussão muito vasta e não vai nos levar a um ponto, facilmente.

Contudo não se engane, eu utilizei essa primeira sessão de propósito para lhe fazer pensar à respeito da tal “diversão” que é algo muito divagado pela nossa comunidade de Yu-Gi-Oh!, principalmente a BR. Para mim que frequentemente me engajo tanto na comunidade BR, quanto estrangeira (Americana e até mesmo a latina em geral) é fácil notar o quanto aqui esse assunto é mais recorrente, talvez pelo fato – batido, mas real – de que não tenhamos tanto poder aquisitivo para investir no jogo, quanto os Americanos por exemplo. O que nos resta é utilizar nossa imaginação e criatividade (que graças a Horakthy nós BR’s temos de sobra) e partir para os decks mais “Rogue”.

Decks Rogue são comummente relacionados ao 4fun, pois são decks mais difíceis de se jogar e aparentemente isso virou um sinônimo de diversão entre os players dos mais diversos jogos, não só do nosso querido Yu-Gi-Oh!

A discórdia começa

E isso nos leva finalmente ao cerne da rixa entre os players do 4fun e metagame: Câncer. Calma, não estou falando da doença, mas sim de algo que os pleyers do meta são muito acusados (pelo forfun). De que seus decks são “câncer”. Sim você não leu errado, algo que eu creio ser muito errado é essa afirmação, onde você buscar o melhor desempenho nos melhores decks do formato te tornam automaticamente em um monstro, e aí eu lhe pergunto, se divertir é perder?

Não, ninguém gosta de perder e essa mentalidade dos players do for fun, de que quem joga metagame (para ganhar, óbvio) é alguém abominável, tem que mudar! Você já parou pra pensar que essa seja a forma desse player de se divertir? Pois é, nem todo mundo necessariamente tem de utilizar os decks mais “fritados” que funcionam uma em 100 vezes, para se “achar” o Einstein.

Mas…

Não me entenda mal, não estou criticando quem pensa que o metagame é algo “boring”. De fato, até mesmo eu penso assim e isso é o que já causou meu afastamento do jogo (ao longo dos meus 10 anos de estrada) por diversas vezes. Ver o pessoal utilizando apenas um deck em um jogo que tem infinitas possibilidades te frustra muito e nesse ponto eu entendo perfeitamente aqueles players do for fun que abominam o meta. Todavia devemos aprender a separar o joio do trigo e entender que mesmo tão distintos e ao mesmo tempo tão iguais, tanto meta quanto for fun dependem um do outro para existir.

Reflitão

Moral da história

A moral de todo esse papo é que ambos os modos devem coexistir, se você joga apenas visando sua diversão, algo mais casual, sem pretensão nenhuma, vai lá, continue, falo sério! Mas não julgue quem pretende ir além disso, pois quem joga o metagame tem tanta dedicação quanto você. E é um lado sabendo respeitar o outro que iremos fortalecer nossa querida comunidade, algo que SEMPRE vai beneficiar quem quer que seja o player e suas aspirações.

 

That’s all folks!

Muito obrigado a todos que leram mais um artigo meu aqui no blog da Solo o/ se possível deixe seu comentário, sugestão e avaliação, tanto sobre a matéria quanto a sua opinião à respeito desse assunto polêmico.

E não se esqueça de compartilhar esta matéria nas suas redes sociais. Era isso então galera, até a próxima matéria, fé no coração das cartas sempre, um abraço e eu… Fuiiii!

3 comentários

  1. So acho que os deck tinham que ser balanceado não essa porra que e 2 decks ganham de todos e foda-se o resto, vc e forçado a joga com tal deck pra não perde eu consigo ganha com meu blue eyes e cyber as vezes mais fazer oque ne so podia ser mais equilibrado o jogo.

  2. Na minha opinião, a rixa na verdade parte mais dos jogadores do Meta game que quase sempre costumam ridicularizar os jogadores de 4fun do que ao contrario, claro que tambem os 4fun que criticam os meta game.
    Onde esta a maior idiotice do planeta? É justamente nas pessoas que ditam como as outras devem jogar, eu particularmente gosto de jogar de meta e de 4fun, na verdade, essas nomenclaturas são ridiculas por si só, pois não existe essa, cada um joga da maneira que preferir sem precisar ser taxado de alguma forma.

    PAREM COM ESSA IDIOTICE DE SE DIVIDIREM EM META GAME E 4FUN!
    Isso só gera briga e acaba afastando as pessoas de um jogo incrível!

    Por mim esse tópico deveria ser mais um esclarecimento do que apoiar um lado e irritar o outro.

    Viva o Yu-Gi-Oh!!! Vivam as diferentes maneiras de se divertir sem oprimir a forma do outro se divertir.

  3. Legal é os retardados que falam “4fun não dá dinheiro”, e o que se ganha jogando de meta game e participando de torneios? “Tenho meu investimento de volta” Como? Com Boosters? Você comprar cartas para ganhar um torneio e ganhar mais cartas? Isso lá é premiação.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*