A chegada da era Link em Yu-Gi-Oh!

A chegada da era Link em Yu-Gi-Oh!

Vrains_EN

Fala gurizada ligada no blog da Solo, aqui quem escreve é o Felipe! E bem galera, a era Link finalmente chegou! É tempo de mudanças em Yu-Gi-Oh!, um tempo que me remete muito ao período que iniciei no competitivo (2014) onde tivemos grandes mudanças (os Pendulum). TUDO MUDOU! Para melhor? Pior? Isso é o que veremos hoje nesta matéria, então senta aí e aproveite a leitura.

INTO THE VRAINS!

Com a chegada do Link Strike e  Code of the Duelist, marcamos oficialmente a chegada da era Link. Para quem está mais perdido que o Yugi com Synchro Summon, os monstros Link e a famigerada Link summon, são os novos tipo de monstro e invocação – respectivamente – anunciados pela Konami ano passado e instaurados no Anime e OCG (card game ocidental) pouco antes da metade desse ano.

A Link Summon é algo que mexeu diretamente nas mecânicas básicas do jogo, como assim? Simples. Agora os monstros do Extra deck não podem mais ser invocados como antes, agora temos a Extra Monster Zone, uma zona de monstros especial, onde temos apenas uma vaga destinada aos monstros de Extra Deck.

extr summon

Então não posso mais invocar vários monstros de Extra deck? Pode sim, mas apenas se tiveres monstros Link em campo, já que eles são quem liberam espaço para os demais. Meio confuso eu sei, mas é mais prático e fácil do que parece. E se você ainda não maja nada de Link Summon recomendo que assista nosso vídeo.

O METAGAME

O metagame é uma veia de nosso card game bem complexa a qual os Links estão influenciando e muito! Atualmente nos decks tier 1 temos um deck que tem como estrela justamente um monstro Link, estou falando dele: SPYRAL Double Helix. No OCG SPYRAL chegou a ter uma adesão de 92% dos players, ou seja, 9 em cada 10 duelistas estavam o utilizando em campeonatos oficiais! É muita coisa, tão absurdo quanto a época dos famigerados Dragon Rulers. (In)felizmente não chegaram com essa bola toda aqui no TCG, pois logo de cara tomaram uma ban list de emergência… Não foi algo que os parou, mas com toda certeza agora eles não são mais tier 0, ou seja, o deck mais poderoso do formato isoladamente.

dbl

 

Pendulum Magician, True Draco (com variantes) e Frogzoic correm junto com SPYRAL na tier 1, porém destes 4 citados, além do SPYRAL, apenas o Frogzoic faz uso assíduo de Links na sua composição, já Pendulum Magician e True Draco não são tão dependentes dos monstrengos azuis que não são ritual. Mas aí você me pergunta: Por que Felipe? Então os Links nem são fortes assim como dizem?

INDISPENSÁVEIS OU NÃO?

Eis a pergunta que não quer calar, será que os Links são realmente necessários? Bem, talvez no universo Zelda sim, mas se tratando de Yu-Gi-Oh! nem tanto. Como eu disse, não só apenas decks que se utilizam fortemente de Links estão liderando o meta, Magician por exemplo raramente faz uso de um monstro Link, e na maioria de suas listas temos a presença apenas de um singelo Decode. Obviamente que isso não quer dizer que eles são dispensáveis, muito pelo contrário, já que logo logo teremos lançamentos novos e quem sabe esse decks sofram uma mutação que os levem para o lado Link da força. Nos Magicians por exemplo teremos com 100% de certeza a presença do Heavymetalfoes Electrum.

artrooo

Na minha opinião a única coisa que está faltando para os Links caírem nas graças de todos são mais lançamentos de genéricos – assim como Castel, SHARK e Dweller estão para os XYZ – e claro, o entendimento do público a respeito deles, afinal de contas os Pendulum só tiveram um expoente de peso na Tier 0/1 depois de mais de 1 ano de lançamento (não nos esquecendo dos Qli, claro).

APOSTEM NELES! 

Assim como os SPYRAL, que quando lançados eram meras piadas, teremos muitos arquétipos que irão se beneficiar dos Links e quem sabe ascender ao topo do metagame. Se tenho um conselho a der-lhes é que guardem seus decks, esperem pelo menos até metade do ano que vem para se desfazerem dele e testem os Links, divirtam-se com eles, tenham a mente aberta para a mudança, pois se não evoluirmos em nosso amado jogo ele acabará por se tornar obsoleto e uma mera lembrança para nós. Precisamos incentivar a Konami – cobrar também – e estarmos de braços abertos para os Links ou qualquer que sejam as novidades no futuro, só assim Yu-Gi-Oh! sobreviverá e quem sabe no futuro estejamos jogando-o com nossos filhos e netos ^^

That’s all folks!

Muito obrigado a todos que leram mais um artigo meu aqui no blog da Solo o/ se possível deixe seu comentário, sugestão e avaliação, tanto sobre a matéria quanto a sua opinião à respeito desses monstrengos que dividem opiniões.

E não se esqueça de compartilhar esta matéria nas suas redes sociais. Era isso então galera, até a próxima matéria, fé no coração das cartas sempre, um abraço e eu… Fuiiii!

2 comentários

  1. Eu vi a mecanica link em ação e até achei ela interessante, o problema dela é que ela literalmente matou varios decks e consequentemente enfiou no lixo o alto investimento realizado por muitos jogadores. (convenhamos o yu gi é um jogo carissimo).Eu mesmo possuo varios decks montados que são inviaveis no formato atual. A anos que eu acompanho o yu-gi, todas as mecanicas novas vieram pra acrescentar, synchro, xyz, pendulum, nenhuma delas impedia que vc jogasse com o seu deck do formato antigo. Essa é a primeira vez que eu vejo uma mecanica nova tornar diversos decks injogaveis. A bem da verdade é que a Konami na sanha de vender cartas, criou algumas delas com efeitos ridiculos e surreais, que tornaram o OTK no jogo algo tão banal como passear no parque. Como existiam varias delas, e não derao conta com a ban list para desacelerar o jogo criaram essa mecanica que destruiu vários decks. Na minha opinião esse caminho escolhido pela Konami foi infeliz, principalmente porque ferrou com o alto investimento de muitos jogadores. Ela deveria primeiro ter tentado consertar o jogo revendo a sua politica de ban e a criaçao de cartas ultrapoderosas com facilidade ridicula de ser colocada em campo (abc, zodiac, toad, infinity etc.). Decks que nao da chance do adversario, reagir ja no segundo turno do duelo deveriam ser totalmente aniquilados do jogo. E isso seria muito facil de fazer com uma ban list de qualidade. E a partir dela limitar a criação de cartas ultrapoderosas. Mas eu nao vou ser ingenuo aqui, são esses tipos de cartas que trazem retorno financeiro para o jogo, a minha sugestão era criar esses tipos de cartas que ja estariam na ban list desde o seu nascimento,sendo semi limitas ou limitadas. A sugestão do Felipe é interessante e eu estava pensando nisso mesmo. Eu vou aguardar até o meio do ano que vem e esperar que lancem novas cartas links que tornem os meus deck jogaveis. Se isso não for possivel guardarei os decks que eu ja tenho junto com a ultima ban list antes da era link e os usarei como jogos de tabuleiro, em que as regras sao imutaveis, e quem quiser jogar comigo ou escolhe um dos decks que eu tenho, ou ultiliza um deck proprio respeitando as regras antes da era link. Eu sempre respeitei as ban list, e atualizei os meu decks conforme, e por mais que eles enfraquecessem com a ban, era possivel deixa-los fortes e competitivo trocando uma carta ou outra, agora com o link, tem deck que simplesmente não funciona mais. Espero que a Konami de um jeito de arrumar isso, pois garanto assim como eu, ela deve estar perdendo uma infinidade de ótimos clientes fieis que seguem o jogo a varios anos.

    • Ótimo ponto amigo, mas da próxima vez por favor use quebras de linha, senão o texto fica ilegível.

      É verdade que a Konami jogou no lixo o investimento de muitos jogadores, ainda mais num jogo com Yugioh aonde as novas staples ficam no mínimo 100 reais no Brasil. Eu acho que a Konami deveria focar em lançar links pros arquétipos mais afetados pelo lançamento, mas concordo que eles deram uma nerfada nesse absurdo de OTK. Além do mais, a Konami deveria pensar duas vezes antes de lançar uma nova carta tão OP. Imagina se daqui a pouco eles banem Raigeki, que por exemplo custa 100 reais. O fato de algumas cartas serem tão OP é o que define o preço delas, e é exatamente o que faz esses jogadores perderem tanto investimento na hora das nerfadas.

      Quanto aos links, acho que foi justo o nerfar criado essa mecânica link, pois o retorno do Extra Deck enchia a mesa de turno em turno.

      De qualquer jeito, agora resta à Konami ir gradualmente deixando o jogo mais jogável e possibilitando a integração dos Decks afetados à nova mecânica Link, afim de consolidar esse novo tipo de carta no jogo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*